Resenha || Horror na Colina de Darrington #celebreoqueénosso

Postado por - quinta-feira, janeiro 14, 2016




  Título do Livro: Horror na Colina de Darrington
  Autor: M.V. Barcelos
  Editora: Novo Século
  Páginas: 112
  Ano de Publicação: 2015
  Onde Comprar: Amazon || Submarino || Saraiva || Livraria Cultura || Compre aqui e ajude o MeL
  Livro cedido em parceria com o autor.
  

Sinopse Você acredita em fantasmas? Ben Simons é um rapaz órfão de 17 anos que vai para a casa dos tios ajudar a cuidar de sua priminha Carla após a tia ter sofrido um derrame. Apesar da infeliz situação de tia Julia, Benjamin esperava que a Colina de Darrington fosse um lugar de certa tranquilidade. O que encontra, porém, é uma trama de terror e sangue, cujo único propósito é a conquista de um poder absoluto e inimaginável por meio de forças malignas. A casa esconde segredos terríveis e sombrios. Conheça os caminhos mais tortuosos da mente humana e descubra até que ponto alguém chega para salvar a vida de um ente querido neste intrigante amálgama de suspense e terror sobrenatural. Onde termina o inferno e começa a realidade? Junte as peças e descubra. Sem dúvidas, esta é uma história para aqueles que não têm medo do escuro e de todo o mal que nele habita.

Benny é um rapaz órfão de 17 anos que vai passar uma temporada na casa do tio, depois que a tia tem um derrame, para ajudar a cuidar da prima pequena. O livro começa quando, logo nos primeiros dias, Benny acorda no meio da madrugada e encontra sua prima sentada no corredor, olhando para cima, rindo e fazendo caretas. Ela diz estar imitando a moça das tranças, que está pendurada na viga do teto.
Uma dica: se vocês forem medrosos como eu, não tentem ler este livro antes de dormir.
O livro é narrado em primeira pessoa, 11 anos depois do acontecido, por um Benny que já não sabe mais se é louco ou são, se aquilo foi real ou um pesadelo e onde exatamente começa um e termina o outro. A narrativa é fluída e a linguagem, atual.

Um livro incrível, com uma história instigante e cheia de horror, suspense e loucura. A pesquisa do livro foi muito bem feita, a construção do personagem principal e da trama foram bem elaboradas, mantendo o suspense e as incertezas do começo ao fim da obra.


Mesmo assim, ainda não sei se estou pronto para contar a história por completo. Veja bem, faz alguns anos e, até hoje, eu sofro as consequências. Os detalhes são embaralhados e muita coisa se perdeu. Já não sei mais o que é pesadelo e o que é realidade. Não consigo mais distinguir os dois. Mas foi terrível. Terrível.

O livro é simplesmente lindo, uma das diagramações mais bonitas que eu já vi. As bordas das páginas são escuras, dando a impressão de algo antigo, talvez queimado, o que combina perfeitamente com o clima da história. Além disso, antes de cada capítulo existe uma introdução (laudo médico, transcrição de uma ligação, matéria de jornal) que aumenta a sensação de veracidade da história e dá algumas pistas inteligentes para os leitores atentos. As páginas são amareladas, as letras grandes com uma fonte confortável. A revisão foi uma das melhores que eu já vi.
O único defeito do livro foi ter acabado tão rápido. Não que o autor tenha corrido ou algo assim, mas, como leitora, eu gosto de aproveitar cada momento, viver o livro. Se as coisas acontecessem só um pouquinho mais devagar eu poderia ter "vivido" o suspense e o medo por mais tempo e gostaria ainda mais.

Quando paramos para observar todas as provações que vivemos diariamente, raramente nos imaginamos em uma situação extrema. Geralmente, achamos que o máximo de perigo que viveremos em um dia será pegar uma tempestade sem estar de capa ou guarda-chuva, ou perder a carteira. Definitivamente, nossa imaginação nunca monta cenários em que você estará jogado no chão, no meio da floresta, sujo e com o pé praticamente quebrado. Nem que você estará com o corpo todo machucado, com medo, com frio e com uma arma carregada na mão. Isso, é claro, depois de ter matado duas pessoas e precisar fugir, mas não conseguir. Tendo, por fim, à sua frente uma missão impensável e nenhuma coragem de cumpri-la.

Este post foi escrito por Alexia Bittencourt




     

Você também pode gostar de:

0 comentários