Resenha || As Crônicas de Herannon - O Aprendiz do Arquimago

Postado por - quarta-feira, março 02, 2016



  Título da Série: As Crônicas de Herannon - 3ª Era
  Título do Livro: O Aprendiz do Arquimago (1º livro)
  Autor: Michael A. Iora
  Editora: Chiado
  Páginas: 630
  Ano de Publicação: 2015
  Onde Comprar: Livraria Cultura || Chiado Editora
  Livro cedido em parceria com o autor.
  

Sinopse Você foi honrado com a oportunidade de ser meu discípulo, uma honra que qualquer um dos acadêmicos de Everard desejaria, pois embora tenham bons mestres, eu estou muito acima de todos eles. O treinamento será muito mais árduo, não duvide disso, mas terá suas recompensas. Se sobreviver, digo, se resistir até o final, sob a minha orientação você virá a tornar-se um mago de altíssimo valor, admirado e invejado por muitos.” Entretanto, o menino elfo descobre amargamente que tamanha honra não é concedida sem que um alto preço tenha de ser pago, e que simplesmente estar sujeito ao desagradável temperamento de seu excêntrico e arrogante tutor deve ser a pior prova que alguém pode ter de suportar. Não obstante, ele se vê obrigado a enfrentar não apenas um treinamento extremamente rígido e insano, mas também a saudade de sua mãe e um sentimento de urgência crescente. Conseguirá o garoto conquistar sua tão desejada graduação, superando todos os desafios impostos e, pior, a crueldade e intolerância de seu próprio mestre?
Aglarion é um elfo que gostaria ser guerreiro, mas por influência de sua mãe decide se tornar um mago. Foi também sua mãe que conseguiu que o maior arquimago do vasto mundo, Kyehntw'arthal, aceitasse se tornar tutor do menino.
Os personagens foram bem desenvolvidos e têm uma personalidade diferente do que estamos acostumados: Aglarion é determinado, talentoso, resmungão e tem um motivo secreto para se tornar um mago o mais rápido possível, mas isso será muito mais difícil do que ele imaginou, principalmente porque seu mestre tem uma personalidade difícil, é inteligente, arrogante, estúpido, maldoso e ficaria muito feliz em se livrar da responsabilidade de um aluno. Já Vedriny, filha de criação do arquimago, é uma garota doce, inteligente e travessa, é ela que muitas vezes torna a permanência de Aglarion no treinamento mais suportável.
Herannon, é um mundo repleto de magia, raças e monstros. Um mundo com espaço para histórias épicas que eu gostaria de ter conhecido melhor. O autor, infelizmente, focou muito no treinamento de Aglarion e foi muito superficial no restante, as características dos povos, as tramas políticas e a organização de bruxos malignos, que são os vilões do livro. O final também foi um pouco corrido e com uma explicação, no mínimo, fraca, não foi uma situação que foi construída aos poucos, desde o início do livro, parece que só aconteceu pro livro não terminar sem uma batalha.
O livro é narrado em terceira pessoa, os capítulos não são muito compridos. A narrativa é fluída, mas às vezes você acaba perdendo o ritmo de leitura por conta de três detalhes: as unidades de medida, que são explicadas somente no apêndice final, muitas vezes fazendo você interromper a leitura e ir até o final do livro para entender algo. Também existem muitas explicações de quem disse o quê, o que estava sentindo e fazendo quando disse aquilo, um diálogo mais direto tornaria a leitura mais leve. E a constante repetição da expressão “o mesmo/do mesmo/a mesma/da mesma” como pronome pessoal (o que, por sinal, é um erro de português).
Embora minha resenha tenha focado mais nos pontos ruins do livro, não achem que é um livro ruim, na verdade, ele é legal, eu só comecei a leitura com uma expectativa muito grande e vi na história um potencial gigantesco que poderia ter sido melhor aproveitado. Uma leitura que poderia ter sido incrível e acabou sendo "ok". Mas eu pretendo (e vou) ler o próximo, porque o mundo que o Michael A. Iora criou é incrível e a história tem o espaço necessário para a complexidade que pode tornar uma saga épica, daquelas com um lugar entre os meus favoritos.

Sobre a edição da Chiado: a capa é linda, está entre as mais bonitas da minha estante. A diagramação também é legal, não possui nada de muito diferente, mas a fonte é confortável e as letras grandes. O mais importante é que o livro possui índice (vocês não têm idéia de como ele me faz falta). A única coisa que poderia melhorar é o tamanho do livro, ele é muito pequeno e muito grosso, acaba ficando meio “desajeitado”.


Este post foi escrito por Alexia Bittencourt.




     

Você também pode gostar de:

0 comentários